Pra investir

Como viver de renda com aluguel de imóveis


Com tantas opções de investimentos disponíveis no mercado, escolher qual é a melhor para você nem sempre é uma tarefa simples.

Mas será que o aluguel, o investimento mais tradicional na vida dos brasileiros, ainda é viável nessa nova década que se iniciou?

Leia também:
5 vantagens de comprar o seu imóvel com o proprietário
Quais documentos você precisa para compra e venda de imóvel?
Quais são os tipos de financiamento de imóveis?

Em 2020, os principais indicadores econômicos apontaram a retomada do crescimento do mercado imobiliário para os próximos anos.

Além disso, os juros para financiamento e novas condições oferecidas por bancos (como financiamento de 90% do valor total do imóvel) têm tornado a compra de imóveis cada vez mais viável.

Sendo assim, o aluguel ainda é uma ótima opção para se viver de renda. E para que você consiga cumprir com esse objetivo, você precisa se atentar à alguns pontos de atenção, que citamos abaixo.

1. Faça um planejamento financeiro

Antes de comprar um segundo, terceiro ou quarto imóvel para alugar, é essencial que você faça uma análise detalhada da sua condição financeira.

É somente assim que você conseguirá fazer um planejamento que te possibilite comprar o seu imóvel sem passar por perrengues, e como bônus terá uma noção do valor que cobrará no aluguel para compensar o gasto que teve ao adquirir o bem.

Você pode começar com um planejamento financeiro, e para isso é só seguir os 6 passos abaixo:

Planejamento financeiro

1. Defina suas prioridades: optando por comprar um imóvel, agora pode não ser o momento ideal para casar, ter filhos ou fazer aquela viagem para a Europa. É importante decidir a ordem que as coisas irão ocorrer para não atrasar outros planos.

2. Liste seus objetivos: quanto você precisa juntar? Em quanto tempo? Onde você gostaria que o imóvel estivesse localizado?

3. Faça um diagnóstico da sua vida financeira: avalie seu momento. Há dívidas ativas? Seus gastos podem ser reduzidos ou otimizados?

4. Estabeleça um orçamento pessoal: recomenda-se que o valor da parcela não ultrapasse 30% da sua renda líquida mensal. Caso o imóvel esteja pronto, você poderá alugá-lo e usar o valor para abater as parcelas. Mesmo assim, é essencial ter uma reserva para períodos onde o imóvel esteja desocupado.

5. Invista com sabedoria: escolha bem o imóvel e desconfie de ofertas boas de mais para serem verdade – pois, muitas vezes, é isso mesmo. Faça tudo com segurança e muitas considerações antes de tomar uma decisão.

6. Comporte-se: uma vez que tenha se comprometido com o investimento, não adianta estourar nos gastos! Mantenha-se dentro do planejado.

Adquira o imóvel que irá alugar

Agora que você já tem uma ideia da sua condição financeira, a coisa fica séria. Você precisa decidir qual será a forma de pagamento para adquirir o imóvel que irá alugar.

Você pode escolher entre pegar um empréstimo, fazer um financiamento ou até mesmo investir em um consórcio imobiliário. São dezenas de opções disponíveis para você e, com base no planejamento anterior, você poderá decidir qual é a melhor para você.

Confira condições de financiamento em mais de 10 bancos com a Credihome ➜

Por fim, você precisa encontrar imóveis com bons preços para que o Retorno Sobre o Investimento (ROI) compense a aquisição.

Você encontra imóveis com os melhores preços em sites como a Casafy, que te permite localizar ofertas com documentação pré-verificada e analisada por uma equipe jurídica, e ainda pode negociar diretamente com o proprietário!

Conheça as leis do aluguel

Sim, existem leis para o aluguel de imoveis! Elas servem para lembrar o proprietário e inquilino de seus deveres, e proteger os direitos de ambas as partes.

Confira abaixo quais são as leis para o Inquilino e para o proprietário:

Lei do Inquilinato

Quando um quarto, casa ou apartamento são alugados, existem algumas regras básicas que devem ser seguidas.

Essas normas estão registradas na Lei do Inquilino, e devem ser cumpridas mesmo se locação for realizada de maneira informal entre inquilino e proprietário do imóvel.

As cláusulas que estão nessa lei garantem mais segurança e conforto, além de evitarem conflitos judiciais entre as partes.

Deveres do Proprietário

De acordo com a Lei do Inquilinato, são deveres do locador:

✔ Entregar ao locatário o imóvel alugado em estado de servir ao uso a que se destina;
✔ Garantir, durante o tempo da locação, o uso pacífico do imóvel locado;
✔ Manter, durante a locação, a forma e o destino do imóvel;
✔ Responder pelos vícios ou defeitos anteriores à locação;
✔ Fornecer ao locatário, caso este solicite, descrição minuciosa do estado do imóvel, quando de sua entrega, com expressa referência aos eventuais defeitos existentes.

Saiba quanto cobrar de aluguel para viver de renda

Para que seus investimentos sejam compensados e você possa viver de renda com o aluguel de imóveis, o valor cobrado ao inquilino deve ser feito por meio de cálculos, e não achismo.

E para definir um valor, você pode se basear nos 5 principais fatores aplicados pelo mercado, como:

1. Hoje a regra base para definir o valor do aluguel é cobrar um porcentual. O mais comum de ser encontrado o porcentual que varia de 0,5% a 0,75% do valor do imóvel.
2. Pesquise o valor dos imóveis anunciados para aluguel na mesma região que seu imóvel, para que você tenha uma ideia do valor dos concorrentes. Mas considere as diferenças: um imóvel reformado vale muito mais do que um usado.
3. Caso o imóvel anunciado seja mobiliado, é comum cobrar de 20% a 30% mais caro, para manutenção da estrutura oferecida.
4. Considere que, se o condomínio for caro, cobrar um valor alto pelo aluguel pode tornar mais difícil que você encontre inquilinos dispostos a pagar
5. Um dos fatores mais considerados para o aluguel é a localização. Leve em conta os benefícios da região, e não só do condomínio, para calcular o aluguel.


Agora que você já sabe que ainda é possível viver de renda com aluguel, não perca a oportunidade de comprar seu imóvel aqui na Casafy!

Aqui, você encontra imóveis pré-verificados, não precisa se preocupar com a burocracia, e recebe assessoria documental de equipe jurídica especializada em todo o processo.